Falta de investimentos impede que a população tenha acesso aos equipamentos e produtos de saúde de alta tecnologia no Brasil

O alto custo para fabricar equipamentos e produtos de alta tecnologia voltados para a saúde no Brasil preocupa dirigentes do setor e dificulta que a população, principalmente, os mais idosos, tenham acesso. Durante a reunião da Frente Parlamentar Mista de Ciência, Tecnologia, Pesquisa e Inovação realizada nesta quinta-feira, 28, no Senado Federal, o assunto foi exposto de forma clara e evidencia que o país precisa avançar nesse quesito.

O Brasil é um país que vem aumentando a sua população de idosos e não vem investindo para que essa parcela de habitantes tenha acesso a equipamentos de ponta existentes no mercado da saúde apontou o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Alta Tecnologia de Produtos para Saúde (Abimed), Fernando Silveira. Ele ressaltou que a entidade trabalha para garantir que todos possam ter acesso a equipamentos de alta tecnologia.

Fernando Silveira

“Nós temos aproximadamente 15 comitês de trabalho nas mais diversas áreas que atua no sentido de que todos, sem exceção, possam ter acesso contínuo e crescente às tecnologias de ponta. Queremos estabelecer essa continuidade de colaboração entre o setor público e privado para construir melhores políticas e melhores normas que beneficiem a população”, destacou o dirigente da Abimed.

A representante da Agência de Vigilância Sanitária – Anvisa, Gabrielle Troncoso, apresentou os dados sobre o monitoramento realizado pela reguladora, principalmente, na parte de acompanhamento dos preços praticados pelas empresas.

“Para a Anvisa participar desse debate é muito importante porque temos trabalhado na análise do impacto regulatório da agência e é uma oportunidade de dialogar com a sociedade nesse grande desafio que é o monitoramento”, disse a servidora que citou o caso da máfia das próteses que culminou na prisão de empresários e profissionais da área médica em 2015.

Senador Izalci Lucas e Gabrielle Troncoso

O presidente da Frente Parlamentar Mista, senador Izalci Lucas (PSDB/DF), criticou a falta de destinação de recursos para essa área da saúde. Izalci reforçou que é necessário dar uma atenção especial para a ciência, tecnologia, pesquisa e inovação no Brasil.

“A gente percebe claramente o que significa a falta de investimentos para a pesquisa no Brasil. Hoje temos uma balança comercial de bilhões negativa para esse setor. A gente importa mais do que exporta, exatamente porque não investimos como deveríamos. E acaba que compramos produtos e medicamentos de fora que são muito caros, sendo que poderíamos estar produzindo tudo isso aqui no Brasil”, salientou o parlamentar.

Izalci disse que é necessário popularizar o setor dada a relevância para o país. “Ultimamente só se fala em corte de recursos e em acabar com o Fundo Nacional de Ciência e Tecnologia. Por isso, temos que lutar para não deixar isso acontecer e popularizar essa área que é muito importante para o Brasil”, afirmou o senador.

“Hoje, por exemplo, o idoso pobre não conta. Não faz parte. É preciso que tenhamos tecnologia e assistência que atendam a todos”, completou o parlamentar.

Read Previous

Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCT) estão preocupados com a redução dos investimentos para as entidades

Read Next

Izalci Lucas e Vitor Lippi comemoram aumento do orçamento para a ciência, tecnologia, pesquisa e inovação para 2020

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.